Dr.Milton Peruzzo | Finasterida. Herói ou vilão?
FINASTERIDA. HERÓI OU VILÃO?
Nos últimos meses foram divulgados novos trabalhos com relação aos efeitos colaterais da finasterida. Droga que inicialmente foi desenvolvida para o tratamento da hipertrofia prostática benigna e que se mostrou muito efetiva também no tratamento da alopecia androgenética (calvície). Os trabalhos originais desenvolvidos pela Merck Sharp & Dohme® mostravam que 2% dos homens tratados poderiam desenvolver diminuição de libido, disfunção erétil e diminuição do volume de sêmen. O que tem causado maior preocupação no momento é que estes índices podem ser maiores do que inicialmente previsto e que também podem ser desencadeados casos de depressão, aumento das mamas masculinas (ginecomastia), dor testicular entre outros. Outros estudos mostram que alguns pacientes podem manter estes efeitos colaterais mesmo suspendendo o tratamento. As bulas do Propecia® estão sendo modificadas para informar os pacientes destas intercorrências. Portanto, mais do que nunca é fundamental ter o tratamento indicado apenas por um médico e fazer exames periódicos para checar as suas funções hormonais. Eu a prescrevo a quase 15 anos, sempre precedida e acompanhada de exames laboratoriais. Eu mesmo a tomei por este período e nuca tive nenhum problema. Centenas de pacientes meus estão tomando por mais de 10 anos e o índice de reclamações em minha clínica coincide com queixas em torno de 2%. É ainda, a melhor alternativa para manter e engrossar os cabelos. Isso posto, continuarei a prescrever normalmente a finasterida para pacientes que tenham o diagnóstico de AAG, manterei minha conduta de acompanhar os exames laboratoriais ao longo do tratamento, mas vou enfatizar mais a necessidade destes exames. Também vou informar que pacientes com quadros de tendência a depressão podem ter esse sintoma exacerbado e deixar a critério do paciente usar ou não a medicação. Resumindo: Sou particularmente favorável a ampla divulgação das notícias e trabalhos acerca dos tratamentos, seus benefícios e efeitos colaterais. Todos devem estar a par dos prós e contras e é dever do médico informar e é direito do paciente saber dos fatos. Um paciente não deve se auto medicar NUNCA e o médico que os acompanha deve estar afeito com a necessidade de acompanhamento laboratorial e se manter atualizado frente às novidades nesta área da tricologia. Aproveito para pedir que os pacientes que estão em tratamento comigo e não tem retornado para os controles que liguem para a clínica e agendem sua consulta. Dr. Milton Peruzzo
Quer receber informações?
DR. MILTON PERUZZO Contato +55 11 3288.2070 / 3283.2582 clinica@peruzzo.med.br